Mosquitos e a bactéria Wolbachia: desafio Brasil

 

Um projeto da universidade australiana Monash envolve a liberação de mosquitos infectados por uma cepa da bactéria Wolbachia, que ocorre naturalmente em diversas espécies de insetos (22), incluindo o mosquito Culex quinquefasciatus (23) e a mosca Drosophila melanogaster, mas não o Aedes aegypti (24).

 

Os cientistas descobriram que, se infectassem os Aedes com a Wolbachia, eles tinham o seu ciclo de vida encurtado, vivendo bem menos e tendo menos chances de se infectar com algum vírus e passar a infecção para humanos. Além disso, também descobriram que a infecção dos mosquitos por Wolbachia funciona como uma barreira contra os vírus da dengue (25), da zika (26) e da chikungunya (27). Melhor ainda: a proteção é transmitida para a prole dos mosquitos, que já nasce com a bactéria.

 

 

 

___

 

22. Dobson SL, et al. Wolbachia infections are distributed throughout insect somatic and germ line tissues. Insect Biochem Mol Biol. 1999 Feb;29(2):153-60.

 

23. Sinkins SP, et al. Wolbachia variability and host effects on crossing type in Culex mosquitoes. Nature. 2005 Jul 14;436(7048):257-60.

 

24. Haine ER, et al. Horizontal transmission of Wolbachia in a Drosophila community. Ecol Entomol. 2005;30(4):464–72.

 

25. Bian G, et al. The endosymbiotic bacterium Wolbachia induces resistance to dengue virus in Aedes aegypti. PLoS Pathog. 2010 Apr 1;6(4):e1000833.

 

26. Caragata EP, et al. Inhibition of Zika virus by Wolbachia in Aedes aegypti. Microb Cell. 2016 Jun 27;3(7):293-295.

 

27. Moreira LA, et al. A Wolbachia symbiont in Aedes aegypti limits infection with dengue, Chikungunya, and Plasmodium. Cell. 2009 Dec 24;139(7):1268-78.