De olho no mosquito

 

Entre as ações de monitoramento do vetor da dengue que ocorrem nos estados e municípios, uma das mais importantes é o sistema de Levantamento do Índice Rápido para o Aedes aegypti (LIRAa), no qual agentes de saúde visitam casas em busca de focos do mosquito. Esse levantamento, por amostragem, possibilita detectar o índice de infestação de uma determinada região e indica quais as áreas prioritárias para a implementação de medidas de controle (2).

 

As ações de monitoramento do vetor incluem a coleta de mosquitos em suas várias fases. Para a coleta de ovos, utilizam-se armadilhas chamadas ovitrampas – a fêmea deposita seus ovos no artefato, e eles são retirados antes da eclosão (3). São utilizadas, também, as larvitrampas, armadilhas para larvas, e outras para mosquitos adultos, utilizando atrativos químicos (4).

 

Outra forma de coleta do Aedes adulto é o uso de aspiradores adaptados, movidos a bateria, que sugam gentilmente o mosquito ainda vivo, permitindo que seja analisado no laboratório. Desse modo, é possível saber não só se o inseto está infectado, como o tipo do vírus que o infectou (5).

 

 

 

___

 

2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Diagnóstico rápido nos municípios para vigilância entomológica do Aedes aegypti - LIRAa: metodologia para avaliação dos índices de Bretau e predial. [Internet] Disponível em: http://www1.paho.org/hq/dmdocuments/2010/dengue-web-LIRAa.pdf. Acessado em: 2017 Jun 05.

 

3. Honório NA, et al. Dispersal of Aedes aegypti and Aedes albopictus (Diptera: Culicidae) in an urban endemic dengue area in the State of Rio de Janeiro, Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2003 Mar;98(2):191-8.

 

4. Consoli RAGB, et al. Principais mosquitos de importância sanitária no Brasil. 1a reimpressão. Rio de Janeiro, 1994

 

5. Honório NA, Núcleo Operacional Sentinela de Mosquitos Vetores (NOSMOVE). Metodologias de coleta de mosquitos na vigilância entomológica. Rio de Janeiro: Miguel E G C de Oliveira; 2016.