Zika, gravidez e microcefalia

 

Dá-se o nome de microcefalia quando a cabeça de um bebê é menor do que o esperado para aquela idade ou fase do desenvolvimento (11). A identificação do problema é feita com a medição do perímetro cefálico (circunferência da cabeça do bebê) e posterior comparação com os valores de referência para cada idade e sexo (11,12). Essa medida é importante e deve ser acompanhada até os dois anos de idade (13).

 

Várias situações podem ocasionar microcefalia, manifestada antes ou pouco depois do nascimento: síndrome de Down, rubéola congênita, exposição a drogas, álcool ou outras toxinas no útero ou fora dele etc (13,14). A associação da microcefalia com a infecção por zika durante a gravidez foi identificada pela primeira vez no mundo por cientistas brasileiros (15). Mais tarde, o Ministério da Saúde confirmou a relação entre as duas e iniciou uma campanha de atenção e notificação obrigatória dos casos de microcefalia no Brasil (16).

 

A ocorrência de microcefalia, por si só, não significa que a criança apresentará alterações motoras ou mentais. Em alguns casos, o bebê se desenvolve normalmente. Porém, na maioria das vezes, a criança apresenta alterações cognitivas leves ou graves, de acordo com o grau de acometimento cerebral (17). Para tentar minimizá-los, é importante iniciar o mais cedo possível as medidas de estimulação do desenvolvimento, segundo o protocolo do Ministério da Saúde para crianças com microcefalia (12).

 

 

___

 

11. Brasil. Ministério da Saúde. O que é microcefalia? [Internet] Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/links-de-interesse/1225-zika/21849-o-que-e-a-microcefalia. Acesso em: 2017 Jun 05.

 

12. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância da Saúde. Protocolo de Vigilância e Resposta à Microcefalia Relacionada à Infecção pelo Vírus Zika. [Internet] Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2015/dezembro/09/Microcefalia---Protocolo-de-vigil--ncia-e-resposta---vers--o-1----09dez2015-8h.pdf. Acesso em: 2017 Jun 05.

 

13. Abuelo D. Microcephaly Syndromes. Semin Pediatr Neurol. 2007 Sep;14(3):118-27.

 

14. Villar J, et al. International standards for newborn weight, length, and head circumference by gestational age and sex: the Newborn Cross-Sectional Study of the INTERGROWTH-21st Project. Lancet. 2014 Sep 6;384(9946):857-68.

 

15. Schuler-Faccini L, et al. Possible Association Between Zika Virus Infection and Microcephaly - Brazil, 2015. MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 2016 Jan 29;65(3):59-62.

 

16. Brasil. Agência Saúde. Nota à Imprensa - Ministério da Saúde confirma relação entre vírus Zika e microcefalia. [Internet] Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/principal/agencia-saude/21014-ministerio-da-saude-confirma-relacao-entre-virus-zika-e-microcefalia. Acesso em: 2017 Jun 05.

 

17. Stoler-Poria S, et al. Developmental outcome of isolated fetal microcephaly. Ultrasound Obstet Gynecol. 2010 Aug;36(2):154-8.